Tags

, , , , , , ,

É meio complicado resumir tudo o que eu senti quando cheguei aqui em Toulon. Sabe, tinha algo no meu estômago se mexendo muito constantemente pra eu deixar isso de lado. Pra mim, há muitas coisas novas, que somadas, se tornam um pouco assustadoras: eu não tenho casa aqui, são muitas pessoas novas, apesar de serem poucos alunos na escola, a língua se faz uma dificuldade algumas vezes e, por fim, matérias que não tem nada a ver com o que eu ví.

Eu já estava na faculdade terça, andando pra cima e pra baixo. Confesso que fiquei um pouco desapontado com o tamanho, esperava pelo menos um prédio megalomaníaco. Mas não, é um prédio pequeno, nos quais estão aglomerados dois institutos, um de mecânica e outro de elétrica. Mas por dentro, tudo é bem agradável e moderno. Fiz um tour com um coordenador daqui e ele me mostrou os laboratórios e as salas. Apesar de serem poucos labs, eles têm coisas muito diferentes dos da USP e, além disso, muitas dessas coisas envolvem projetos de alunos. Há uma impressora 3D aqui, de última geração, motores de carros montados em corte, para se observar o funcionamento e há muitos laboratórios de informática. Eles são muito bons na simulação com CAD e CAO.

Bom, as aulas começaram terça. Antes de adentrar nesse tópico: casas. Eu procurei casas aqui em Toulon no dia que cheguei, estou em dúvida entre duas. Uma é próximo à Gare (estação de trem), tem três pessoas, as quais não são estudantes, mas são super simpáticas. A outra, é perto do porto e da praia, e nela mora um arquiteto gente boa, que curte quase tudo que eu curto e tem infinitos filmes e séries num armário gigante. Enfim, não consigo me decidir. Contudo, só posso entrar domingo na primeira, e sexta na outra. Logo, eu esperei mesmo assim. Como não tinha dado uma resposta definitiva, o arquiteto achou alguém, assim, minha casa será a da gare e me mudarei no domingo. Enquanto isso, estou na casa de 4 meninas que estudam na faculdade. Me ofereceram alojamento até domingo e achei isso um ato bem altruísta, dado que todo mundo diz que os franceses são individualistas. Mas todas tem namorado, antes que saiam pensando bobagens.

As aulas são diferentes, tive poucas até agora, mas já deu pra sentir um pouco o clima. O problema é que se piscar já perco a linha de raciocínio, é mais difícil pensar em francês. Bem mais difícil. Entretanto, consegui entender a maior parte das coisas e as matérias que eu tô fazendo são relativamente tranquilas.

No próximo post, falarei (bem) de Toulon.
À bientôt.

Anúncios